FESTIVAL SET


O festival SET tem como objetivo a ligação entre escolas de teatro para discussão e reflexão de temáticas ligadas ao ensino artístico. Traz também espetáculos de teatro, dança, música e performance. O objetivo foi criar uma identidade e uma campanha que espelhem aquilo que está na essência das artes que são o teatro, a música, a dança, a performance. A ligação entre as pessoas, a emoção, o movimento, expressão, comunicação, o corpo, o som... de forma a que deixe a sua marca. O pensamento do pano surge como representação do movimento, do ser, do som, da vibração, do sentir, do invisível... despertando ao imaginário com a sua estranheza, e, tal como no teatro, na música... deixa que a sua interpretação seja também pessoal e íntima não sendo algo concreto, mas sendo-o ao mesmo tempo. Pretendendo passar também a ideia de liberdade, de arte solta (em todo o lado). Não me ficando só pelo urbano, mas, recorrendo também à natureza pois também ela se move, cria padrões, dança, canta, fala... Apesar de estarmos a passar por uma fase complicada de pandemia acabamos por nos imaginar assim, soltos, até quando estamos mais restritos e nos temos de ficar pela nossa bolha...


Festival SET aims to connect theatre schools to discuss and reflect on issues related to art education. It also brings theater, performance, dance and music spectacles. The goal was to create an identity and a campaign that mirror what is in the essence of the arts, which are theater, music, dance and performance. The connection between people, the emotion, the movement, expression, communication, body, sound... in an outstanding way. The thought of the cloth appears as a representation of movement, of being, of sound, of vibration, of feeling, of the invisible... awakening the imaginary with its strangeness, and, as in theater, music... it allows its interpretation to also be personal and intimate, not being something concrete, but being it at the same time. Intending also to pass on the idea of freedom, of loose art (everywhere). Not only in the urban context but also resorting to nature because it also moves, creates patterns, dances, sings, speaks... Although we are going through a complicated pandemic we end up imagining ourselves like this, loose, even when we are more restricted and have to stay in our bubble...