PRATELEIRA SOBE E DESCE

EMANUEL SOUSA


Desde as prateleiras de parede aos candeeiros de teto; dos expositores suspensos às garrafeiras nas paredes. É com esta estratégia que a sociedade eleva o aproveitamento e a economia de espaços, a seu favor, sem contacto com o chão, no ar ditam formas mais leves de viver e de trabalhar. Entram em sintonia para nos dar mais espaço útil e enriquecer o ambiente em que se encontram, servindo-se harmoniosamente das infraestruturas, como se de âncoras se tratassem, uma dicotomia que se contrasta, mas converge. O caso das prateleiras de parede, é um dos objetos mais comuns que podemos deparar-nos em qualquer espaço, seja ele público ou privado, que tanto tem utilidade de criar organização e arrumação para certo tipo de objetos como podem servir de expositor com objetivos decorativos. Projetar esta prateleira, foi uma tentativa exploratória desta utilidade vertical, desconecta do propósito mais habitual, como suporte para outros objetos e expandir a sua forma pela parede, não só pela transformação de aparência como também para criar uma interação entre a pessoa e a peça.

From wall shelves to ceiling lamps; from the hanging displays to the wine racks on the walls. It is with this strategy that society increases the usage and economy of spaces, to its advantage, without contact with the floor, in the air they dictate lighter ways of living and working. They come together to give us more useful space and enrich the environment in which they are located, making harmonious use of infrastructure, as if they were anchors, a dichotomy that contrasts but converges. In the case of wall shelves, they are one of the most common objects that we can find in any space, whether public or private, both have the utility of creating organization and storage for certain types of objects and can serve as a display for decorative purposes.Designing this shelf, was an exploratory attempt of this vertical utility, to disconnect from the most usual purpose, as a support for other objects and expand its form on the wall, not only by transforming the appearance but also to create an interaction between the person and the piece.